Notícias

A VIDA COMEÇA PELA MEMÓRIA com a Cia. de Intérpretes Independentes





FUNARTE, Teatro Cacilda Becker e Ocupação Cacilda

apresentam
                                                                         

A VIDA COMEÇA PELA MEMÓRIA, COM CIA DE INTÉRPRETES INDEPENDENTES   
O espetáculo "A Vida Começa pela Memória", é a décima terceira montagem de dança contemporânea da Companhia de Intérpretes Independentes, a qual aborda a relação que o homem estabelece com a memória durante sua existência, e utiliza a estética proposta pela obra do fotógrafo tcheco Jan Saudek.   
Uma encenação coreográfica não narrativa, criada para dois intérpretes bailarinos, um projeto contemplado com o Prêmio Funarte Petrobras de Dança Klauss Vianna 2012.   
Foi apresentado em Belém, Paragominas, Bragança, Tucuruí (PA), Curitiba (PR) e Manaus (AM).   



Sobre a Companhia de Dança   
A Companhia de Intérpretes Independentes (CII) surgiu no ano de 2003 em Manaus (AM) com a denominação de Risuenho Cia. de Dança, a partir de um processo de pesquisa sobre o movimento dos membros superiores, que caracterizaria seu percurso nesses nove anos de existência, fornecendo-lhe uma linguagem estética específica. Dirigida por Ricardo Risuenho, encenador coreográfico que trabalha com a expressão da dança contemporânea, paraense e residente um Manaus (AM) há 12 anos, realiza na companhia investigação teórico prática sobre a movimentação dos membros superiores, e sendo suas encenações coreográficas são resultados da interação deste amplo aporte de conhecimento. Desta forma, seu resultado cênico traz como característica principal a interação entre a fundamentação teórica e a sua aplicabilidade prática, propiciando a difusão de conhecimento. Seu repertório é constituído por produções como: Mulheres de Macbeth (2003), Ilha da ira (2004), Ruídos da solidão (2004/05), Origem (2006/07/10), Homem de Barro (2008), ZÉ (2009), Com Shakespeare na Rua (2011) e A Cruz e a Moça e Bella (2012), as quais foram apresentadas em várias cidades da Região Norte. A Cia de Intérpretes Independentes foi contemplada com Prêmio Funarte de Dança Klaus Vianna em cinco edições. E, durante sua trajetória teve patrocínio e apoio de grandes instituições, como: Correios, a empresa IMANAM, as Universidades Estadual e Federal do Amazonas, as Secretarias Estadual e Municipal do Amazonas, as Fundações Villa Lobos e Tancredo Neves e a Petrobrás.
PESQUISA DESENVOLVIDA PELA COMPANHIA Abordando temáticas transversais nas diversas áreas do conhecimento, a Companhia de Intérpretes Independentes têm seu trabalho centrado em divulgar o potencial da cultura regional retratado sob a linha contemporânea na concepção cênica de seus espetáculos, com isso vem se consolidando no mercado profissional através de expressivas encenações, dando sua contribuição para a formação técnica, processos de criação e pesquisas de caráter teórico e pragmático culminando com a produção cênica, a qual tem transitado pelo Brasil visando desenvolver uma arte empreendedora para o fortalecimento dos aspectos sócio-artísticos culturais da região amazônica no cenário nacional. Com este objetivo, a Companhia desenvolveu uma técnica de dança em linguagem contemporânea para preparação física de seus intérpretes pautada no padrão de movimentação que desenvolve nos processos de criação de seus textos de movimentos. O padrão de movimento da Companhia é fundamentado na biomecânica dos membros superiores, resultado da pesquisa do coreógrafo Ricardo Risuenho sobre esta região corporal utilizando os conceitos da Cinesiologia.     


Sobre o Diretor da companhia : Ricardo Risuenho   
Fez parte do Grupo Encarte dirigido por Marilene Melo (PA) durante treze (13) anos como bailarino e coreógrafo residente do grupo, realizou apresentações em várias capitais do país e em vários Festivais nacionais. E coreografou para o mesmo espetáculos como: Corpo (1985) Adormecendo na Calma da Inocência (1989), Réquiem (1990), Cantata (1993). Em 1996, fundou com Rosângela Estumano a Cia de Arte Farrabamba, que depois passou a se chamar Farrabamba cia de dança, a qual se tornou referencia em dança contemporânea no estado do Pará. Coreografando vários trabalhos, entre eles: A Cruz e a Moça (1996), Ligações Perigosas (1997), Cânticos (1998), Dança Popular e Réquiem - remontagem de 10 anos (2000). Coreografou espetáculos para alguns grupos e cias de dança como: Grupo coreográfico da Universidade Federal do Pará (Messiah - 1995 (PA)), Grupo Marilene Melo (Do Fundo Profano/Asilo/Dança Popular (PA)), Tápias Cia de Dança (Dança dos Homens - 1998/Plural - 2008 (RJ)), Corpo de Dança do Amazonas (O Mundo da Razão Presente - 2009(AM)). Em 2001, mudou se para Manaus (AM) onde fundou a Risuenho Cia de Dança, que depois passou a se chamar Cia de Intérpretes Independentes, onde atualmente atua como encenador coreográfico, tendo montado diversos espetáculos, entre eles: Mulheres de Macbeth (2003), Ilha da Ira (2004), Ruídos da Solidão (2005/08), Origem (2006/07/10), Zé (2009), Mulheres de M - remontagem do primeiro espetáculo (2010), Com Shakespeare na rua (2011), A Cruz e a Moça e Bella (2012). Sua experiência com a docência: Universidade do Estado do Amazonas no curso de dança nas disciplinas Teoria e análise do movimento, dança clássica, dança moderna e Cinesiologia (2003-2005), ULBRA-AM no curso de educação Física na disciplina Anatomia (2003), Fundação Cultural Cláudio Santoro no curso de Formação Artística/dança nas disciplinas Anatomia do movimento, consciência corporal e improvisação (2005) AM; Fundação Curro Velho oficinas de Iniciação a dança e dança contemporânea (1996 - 1997). Contemplando com as seguintes premiações: Primeiros lugares nas categorias Duo e Conjunto na modalidade contemporâneo no Festival SESI-Pará (1996 a 1998); Coreógrafo e Bailarino Destaque pela Associação Paraense de dança (1999); Título de Honra ao Mérito concedido pela Câmara Municipal de Belém (2003) - PA; Melhor espetáculo Júri Popular no Festival de Teatro e Dança de João Pessoa - PR; 1º Lugar na modalidade Contemporâneo no Festival de Dança de Joinville (1991) - SC; 2º lugar na categoria contemporânea no Seminário Internacional de Dança de Brasília - DF; Troféu Mambembe de Coreógrafo Revelação (1997) - RJ.   É citado como um dos coreógrafos da Frente contemporânea brasileira na revista Dança & Cia (edição 13 - Ano III - No 01 - 2000 - Artigo: Brasil de 2000) e no Livro Historia da Dança - evolução cultural de Eliana Caminada, que o cita como um coreógrafo dono de uma linguagem de dança... que consegue transmitir o clima brasileiro, sem cair em regionalismos ou estereótipos de falsa brasilidade. Como Iluminador, fez os desenhos de luz de quase todas suas montagens coreográficas, entre elas: Réquiem, Adormecendo na calma da inocência, Dança Popular, Asilo, Cânticos (PA), Mulheres de Macbeth, A Ilha da Ira, Origem, Ruídos da Solidão, Mundo da Razão Presente (AM). Também assinou a iluminação dos espetáculos: Rito de Passagem, Rastros Híbridos e O Processo para Índios.com Cia de Dança, Amazônia Nau da Renascença Cia de Dança e Confluências da Cia Rodrigo Vieira (AM). Participou da Curadoria de eventos como: Laboratório Contemporâneo em 2008, um evento que visava discutir os processos de criação de grupos e companhias de dança contemporânea na cidade de Manaus (AM), e Mova se edição 2011, uma mostra nacional de dança contemporânea realizada anualmente em Manaus (AM).   



Ficha Técnica: Encenação Coreográfica Ricardo Risuenho Elenco: Anna Raphaella Costa/Ricardo Risuenho Cenografia: Ricardo Risuenho/Nelson Magli/Divan Fernandes Figurino: Luís Ferreira/Ricardo Risuenho Operação de Som: Gisa Almeida Iluminação: Nelson Magli Cenotécnico: Nelson Magli Produção Geral: Gisa Almeida Fotos - Suane Melo   


Sobre a ocupação Conexão Cacilda:   Conexão Cacilda, o novo projeto de ocupação do Teatro Cacilda Becker (RJ), propõe uma consolidação do espaço enquanto polo de referência para a dança, tanto na cidade do Rio de Janeiro quanto no Brasil como um todo. Num período que se estende entre maio de 2013 e janeiro de 2014, Conexão Cacilda compõe-se de ações vinculadas a partir de quatro diretrizes principais: criação artística, intercâmbio, diversidade e formação de público. Para tal, a equipe liderada pela produtora e especialista em Arte-Educação Carla Strachmann (RJ), em parceria com a produtora Jacqueline de Castro (Lazúli Cultura (MG)), promoverá um amplo escopo de atividades - de espetáculos e intervenções urbanas a oficinas, debates e residências artísticas - sempre atentas e conectadas aos diversos elos da cadeia produtiva em dança: criação/produção, difusão/formação e registro/memória.         


Equipe:   Concepção e Direção de Produção: Jacqueline de Castro (Lazúli Cultura) Concepção e Direção Geral: Carla Strachmann Consultoria Artística: Diana de Rose Assistente de Produção: Taciana Oliva Assessoria de Imprensa: Roberta Mattoso Gestão de Comunicação: Davy Alexandrisky / Marcelo Paes de Carvalho     



Conexão Cacilda foi contemplada pela FUNARTE (Fundação Nacional de Artes) no Edital de Ocupação do Teatro Cacilda Becker 2013 
Serviço:   
Espetáculo "A vida começa pela memória", com Cia Intérpretes Independentes 
Data: 13, 14 e 15/dezembro (sexta e sábado e domingo) 
Horário: 20:00h (sexta e sábado) 19:00h (domingo) 
Duração: 45 min 
Classificação Indicativa: 16 anos 
Entrada: R$20 (inteira) e R$10 (meia)   
 

Autor / Fonte:RoMa in Press




Comentários